COMO FALAM OS BRASILEIROS YONNE LEITE E DINAH CALLOU PDF

Aragrel Privacy Policy Terms and Conditions. Please verify that you are not a robot. Reviews User-contributed reviews Add a review and share your thoughts with other readers. Cancel Forgot your password? Your list has reached the maximum number of items.

Author:Mazurisar Kajora
Country:Belarus
Language:English (Spanish)
Genre:Automotive
Published (Last):4 March 2012
Pages:468
PDF File Size:12.30 Mb
ePub File Size:2.24 Mb
ISBN:492-3-36097-520-9
Downloads:53974
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Brashicage



Como falam os brasileiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Rafael Andrade UFRRJ As autoras Yonne leite, professora-adjunta aposentada da UFRJ, com doutorado em lingustica pela Universidade do Texas e atuao em pesquisas sobre as lnguas indgenas brasileiras e a fonologia do portugus, e Dinah Callou, professora-titular do Departamento de Letras Vernculas da Faculdade de Letras da UFRJ, com doutorado pela UFRJ na rea de lngua portuguesa, ps-doutorado em lingustica pela Universidade da Califrnia e atuao em pesquisas que versam sobre variao e mudana no portugus do Brasil, discorrem, no livro Como Falam os Brasileiros, sobre os pontos de convergncia entre identidade e linguagem.

Apoiam o fenmeno da variabilidade, sem que um segmento seja essencialmente considerado bom e outro mau. Sustentam a unidade lingustica portuguesa do Brasil sem deixar de considerar a sua vasta diversidade e defendem o dialeto carioca enquanto falar padro. As autoras iniciam a anlise afirmando que o portugus do Brasil, na sua origem, reflete a superioridade cultural do homem branco sobre os negros e ndios, trazendo consequncias observadas ainda atualmente.

Dentre as assertivas, tambm o fato do territrio brasileiro ser to vasto contribui para impedir que um quadro lingustico homogneo se estabelecesse.

Diferentes territrios com diferentes tipos de colonizao como a colonizao com pouca miscigenao do Rio Grande do Sul colaboram para se presumir que no Brasil a expanso do portugus no seguiu uma forma nica.

Na verdade, a hegemonia da lngua portuguesa dependeu de fatores histricos e uma normatizao em direo a um portugus padro s ocorreu nos ltimos dois sculos e meio. Assim, a relao entre colonizao brasileira e a diversidade lingustica existente no pas deve ser considerada. Por outro lado, existe a idealizao de um pas monolngue e um portugus cada vez mais parecido com o de Portugal.

O absurdo de se negar a diversidade lingustica envolve aspectos ideolgicos e o preconceito relativo a determinadas variedades equivalente aos preconceitos social, racial e religioso. Nesse ponto, uma questo importante levantada a de que educao igualitria tem o dever de reconhecer a diversidade a fim de possibilitar aos usurios da lngua o acesso s normas prestigiadas e s mesmas oportunidades. Ao enfocar a necessidade de melhor descrever e analisar a diversidade lingustica, as autoras citam o projeto ALIB, que se prope a criar um atlas lingustico geral do Brasil, o que confirmaria, por exemplo, a tese de que as divises dialetais no pas so menos geogrficas que socioculturais.

Vrias tentativas de traar reas dialetais brasileiras foram feitas ao longo dos anos, partindo sempre de fatores histricos, sem, no entanto, levantar traos lingusticos diferenciadores. As autoras invocam o fillogo Antenor Nascentes, que ressalta a falta de determinao das isoglossas, isto , linhas demarcadoras dos fenmenos lingusticos.

Esses traos so to marcantes que chegam a ser imitados porm, de maneira superficial, o que acaba por caricaturar e igualar falares diferentes pelos veculos de comunicao sempre que se quer ressaltar a fala de determinada regio. O fato dos limites administrativos e lingusticos raramente coincidirem contribuem para dificultar a identificao de um falante como membro de determinada comunidade. Nesse quesito, os atlas lingusticos seriam de pouca ajuda, pois do mais nfase na fontica e nos vocabulrios, calcados no falar de iletrados, esquecendo-se que a variao atinge tambm o nvel culto.

O projeto NURC, citado pelas autoras, ao analisar as normas lingusticas de cinco capitais brasileiras Porto Alegre, So Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Recife , pretende demonstrar a pluralidade de normas, em detrimento de uma nica.

Alm da existncia de vrios fenmenos nas modalidades cultas, pde-se detectar tambm que no houve coincidncia entre o comportamento lingustico dos falares e suas respectivas reas. O Rio de Janeiro, por exemplo, apresenta realizaes que hora se aproximam de uma regio, hora de outra. J que no possvel traar uma linha geogrfica demarcatria, no que se refere a alguns aspectos fonticos e morfossintticos, o mais correto seria determinar que cada dialeto tem sua prpria norma.

Para situar a posio excepcional do linguajar carioca entre as demais reas dialetais brasileiras, as autoras se referem cidade do Rio de Janeiro como que colocada numa posio de contrastes, tanto no plano socioeconmico quanto no geogrfico. A diferena geogrfica se justifica num Rio localizado entre as montanhas e o mar, e outro se estendendo por uma rea de baixada.

No plano socioeconmico, no entanto, o contraste se faz mais evidente, tanto que o Rio de Janeiro foi o primeiro municpio a ter seu prprio Relatrio de Desenvolvimento Humano. Em um mapa, fruto do trabalho de Antenor Nascentes, mostrado o linguajar carioca como variedade do subfalar fluminense.

Como essa mobilidade era, na verdade, privilgio de poucos, poderia ser tirada da, em parte, a explicao de diferenas lingusticas na fala de moradores das tradicionais reas da cidade Zona Sul, Zona Norte e Zona Suburbana.

Subsequente a esses aspectos da mobilidade econmica, cultural e social est a dinmica lingustico-educacional. Para as autoras, o fato de ter a menor taxa de analfabetismo entre as 12 maiores capitais brasileiras e com um em cada cinco adultos, pelo menos, tendo iniciado o curso superior faz do Rio de Janeiro um denominador comum da realidade brasileira e serve de argumento para defender a linguagem carioca como padro nacional. Ressalta-se, porm, que o bom nvel educacional no est igualmente distribudo pela cidade, o que justificaria as diferenas lingusticas dentro de seus prprios limites.

Chama ateno o fato de que a expanso urbana ocasionou o encontro das classes mais baixas da populao com outras de setores mais ricos, mas, no entanto, no causou uma interao total, devido a um conceito de hierarquia social j enraizado na sociedade. Dessa forma, a polarizao geogrfico-social refletiria tambm uma oposio lingustica: de um lado um segmento mais popular pertencente aos falantes menos escolarizados ; de outro, um mais prximo do portugus europeu correspondendo ao uso dos falantes mais escolarizados.

Quanto s diferenas, que ainda existem na fala, relativas aos gneros, as autoras, como possvel explicao para esse fato, fazem meno falta de alfabetizao da populao feminina, que durante anos ficou restrita aos afazeres domsticos. Levando em conta as construes histricas, culturais e sociais que acompanham os gneros, segundo a geografia lingustica, de base rural, a fala feminina seria conservadora, enquanto que a dialetologia urbana a v como inovadora principalmente no uso das mulheres mais jovens.

Isso se deve, em grande parte, pela mulher, nos centros urbanos, desempenhar outros papis que no o domstico. Foi a partir da dcada de , com a ajuda de programas computacionais, que se tornou possvel a confirmao no s das diferentes normas gerais das vrias modalidades nacionais, mas tambm normas especficas em cada uma delas.

O termo sotaque sinttico, do linguista Fernando Tarallo, citado para tratar das diferenas de pronncia entre as regies. A partir dessas anlises, as autoras chamam ateno para um comportamento paradoxal.

A variao lingustica que existe hoje provm do contato dos diversos grupos tnicos e sociais nos diferentes perodos da nossa histria. A tentativa da modalidade escrita de neutralizar essas marcas na busca por um padro nico revela, assim, um paradoxo, pois todos os falares, mesmo o culto, possuem suas prprias normas. Por fim, as autoras do o alerta de que, tal qual no momento em que o homem branco chegou a terras brasileiras, hoje tambm se fazem juzos de valor sobre a linguagem sem, no entanto, o conhecimento necessrio para se entender a complexidade dos fatos que caracterizam cada falar.

Como Falam os Brasileiros resultado da rica experincia de Yonne Leite e Dinah Callou enquanto profcuas pesquisadoras do portugus brasileiro.

O livro de leitura indispensvel para todos os que se propem a pensar sobre a lngua e buscam entender no somente seus mecanismos internos, como tambm os externos; alm, claro, de proporcionar uma reflexo sobre ns mesmo e o falar que utilizamos no nosso cotidiano.

DGP 6150 PDF

Resenha "como falam os brasileiros"

Costellazioni , v. Matraga Rio de Janeiro , v. Journal of Portuguese Linguistics , v. Estudos UFBA , v. Cadernos de Letras da UFF , v. Inicia UFRJ , v. Letras de Hoje , Porto Alegre, v.

KAMIYA SATOSHI ANCIENT DRAGON INSTRUCTIONS PDF

Dinah Maria Isensee Callou

.

INSTRUKCJA OBSUGI ALFA ROMEO 147 PDF

Dinah Callou DOC

.

DEVASSOS NO PARAISO PDF

Resenhas - Como Falam os Brasileiros

.

Related Articles